13.5.16

MULHERES BAIANAS FICAM PRESAS EM AVIÃO APÓS PROTESTAREM CONTRA O IMPEACHMENT

Mulheres baianas ficam presas em avião após protestarem contra o impeachment
Crédito da foto: Reprodução Facebook
No início da tarde de hoje (10), 73 mulheres feministas que vinham da Bahia para Brasília participar da 4ª Conferência Nacional de Políticas para Mulheres, que acontece de 10 a 13 de maio, foram mantidas presas, por cerca de uma hora, dentro do voo 3437 da companhia aérea TAM. A causa foi um protesto, com vaias, contra a deputada federal Eronildes Vasconcelos Carvalho (PRB-BA), conhecida como Tia Heron, e o deputado federal Jutahy Magalhães (PSDB/BA), por terem votado a favor do impeachment na sessão do dia 17 de abril, na Câmara dos Deputados. Os parlamentares denunciaram as manifestantes e exigiram que ficassem dentro do avião até a chegada da Polícia Federal.
“Nesse momento, nós estamos aqui esperando que a Polícia Federal chegue para liberar a saída do voo. Ao que parece, eles vão fazer uma acareação para nos identificar, nós que estamos na delegação da Bahia e que puxamos palavras de ordem contra os golpistas que estão nesse voo agora, portanto é uma arbitrariedade. Não sabemos o que vai acontecer. O comandante (do avião da TAM), de forma arbitrária, está nos colocando como bandidas a espera da Polícia Federal, é preciso denunciar o que está acontecendo agora”, disse, em áudio, umas das mulheres que estavam na delegação.
Uma mulher passou mal, devido à retaliação a que foram submetidas. Após a chegada de agentes da PF, elas foram retiradas em grupos de dez e levadas até uma sala da corporação no aeroporto internacional Juscelino Kubitschek, onde também ficaram presas por cerca de mais uma hora, antes de serem liberadas. Segundo relatos de militantes e de representantes da Secretária de Políticas para as Mulheres (SPM) que lá estiveram para dar apoio e mediar a liberação das feministas, os advogados de defesa não puderam, sequer, entrar na sala para conversar com elas.
Os dados de cada uma delas foram registrados, pela TAM, junto à Polícia Federal.

Nenhum comentário: