10.12.14

SILÊNCIO DAS FORÇAS ARMADAS ETERNIZA A TORTURA

Do Blog do Josias de Souza

O silêncio das Forças Armadas sobre os crimes da ditadura proíbe o passado de passar. O silêncio grita há meio século que a historiografia nacional convive com um capítulo que tem início e meio. Mas não tem fim.

O silêncio eterniza o vexame da tortura. O silêncio sonega a viúvas, mães e filhos o direito de enterrar punhados de ossos sobre os quais possam derramar lágrimas e depositar flores. O silêncio impõe à nova geração de militares o convívio perpétuo com a mancha alheia.

Sob Fernando Henrique Cardoso, o Estado brasileiro pediu desculpas e instituiu a reparação financeira pelos crimes. Sob Dilma Rousseff, o Estado criou a Comissão Nacional da Verdade. Nesta quarta-feira, veio à luz a verdade que foi possível apurar sem a colaboração das Forças Armadas. Que reiteram a decisão de permanecer em silêncio.

Exército, Marinha e Aeronáutica não passam de repartições públicas. São custeadas com o dinheiro dos impostos. Aceitar passivamente o silêncio sobre a tortura e o sumiço de compatriotas seria o mesmo que tratar todos os cidadãos em dia com o fisco como cúmplices da barbárie. Certos silêncios merecem barulho. É preciso gritar: NÃO!

Nenhum comentário: