16.10.14

MELHORES SALÁRIOS AUMENTAM QUALIFICAÇÃO E RENDIMENTO NA EDUCAÇÃO

'Educação não acaba na escola', diz analista de prova mundial para adulto

Salário de quem foi melhor na prova é 60% mais alto que o dos demais.
Leia entrevista concedida por Marta Encinas, da OCDE, ao G1.

Ana Carolina Moreno. Do G1, em São Paulo

Marta Encinas, analista da OCDE

As políticas públicas devem ter como objetivo a educação igualitária para todos os alunos desde o início do ciclo escolar, mas não podem deixar de oferecer formação continuada aos adultos durante toda a sua vida profissional, defende a analista da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Marta Encinas. "A educação não acaba na escola, é algo que os adultos brasileiros precisam entender", afirmou a especialista espanhola.

Responsável pela coordenação de uma avaliação aplicada pela OCDE em adultos de 16 a 65 anos em 23 países, Marta esteve no Brasil em abril para apresentar os resultados do Programa para a Avaliação Internacional de Competências Adultas (Piaac, na sigla em inglês). Semelhante ao Programa de Avaliação Internacional dos Estudantes, o Pisa, o Piaac foi aplicado entre 2008 e 2013 em países como Suécia, Irlanda, Estados Unidos, Espanha, Rússia e Japão.

Cruzando as informações com os dados do questionário, a OCDE conseguiu traçar um perfil que relaciona os conhecimentos dos adultos com seu êxito profissional: "O salário médio por hora dos trabalhadores com alta qualificação supera em mais de 60% o dos trabalhadores com baixa qualificação", afirma ela.

Em um teste com cerca de 45 minutos, os participantes tiveram que responder a diversos tipos de perguntas para demonstrar seus conhecimentos em compreensão de leitura, matemática e outras competências relacionadas ao trabalho, incluindo a habilidade de trabalhar em equipe e o domínio das tecnologias de informação e comunicação.

O Brasil, por enquanto, não participa do Piaac. Segundo o MEC, a possibilidade de o Brasil aderir à prova internacional que avalia os conhecimentos dos adultos ainda está em análise.
Leia a seguir a entrevista concedida por Marta ao G1, por e-mail:


Surpreende o resultado do Piaac sobre a relação entre competências e salário?
Sim, as implicações para os indivíduos são grandes. O salário médio por hora dos trabalhadores com alta qualificação supera em mais de 60% o dos trabalhadores com baixa qualificação. Em alguns países como os Estados Unidos, esta diferença é ainda maior, enquanto que, em alguns países da Europa do Leste, os salários estão mais reduzidos e a diferença é menor.


Os adultos com nível escasso de competência de leitura também têm mais de três vezes mais chance de estarem desempregados que os bem formados. Mas o impacto das competências vai muito além dos salários e do emprego. As pessoas com menor competência em leitura estão três vezes mais propensas a ter problemas de saúde, e também mais propensas a crer que têm pouco impacto nos processos políticos –é dizer, a achar que são mais um objeto das decisões políticas que atores delas–, e além disso tendem a não participar nas atividades associativas, ou de voluntariado, e a se manter à margem da sociedade.

Essas relações não se sustentam só para os indivíduos, mas também se aplicam aos países: o salário per capita são maiores nos países com menor proporção de adultos nos níveis mais baixos de competência, e com maior proporção de adultos que alcançam os mais altos níveis de competência leitora ou matemática.

No caso das desigualdades, é importante assumi-las desde cedo, e fazer um esforço especial em relação aos alunos com desvantagens sociais, já que na maioria dos países eles acabam virando os adultos com nível muito baixo de competências"

Países como os Estados Unidos não obtiveram nível de excelência tão alto (entre os alunos mais ricos) que países nos quais o nível socioeconômico não afeta tanto os estudantes. O Brasil, um país com ainda maior desigualdade social, também pode ter resultado parecido?

As características especificas do Brasil só poderemos conhecer se ele participar do Piaac, para poder fazer uma análise personalizada do seu caso. No caso das desigualdades, é importante assumi-las desde cedo, e fazer um esforço especial em relação aos alunos com desvantagens sociais, já que na maioria dos países eles acabam virando os adultos com nível muito baixo de competências. Esses adultos acabam sendo um peso para o país, e colocam em risco o bem estar de todos, já que costumar ter grande dificuldade de encontrar trabalho, não participação da formação de adultos e costumam ter pior condições de saúde, o que supõe um grande custo para o sistema de saúde de um país, e costumam necessitar subsídios. Além disso, os países com um grande número de adultos com baixas competências não conseguem introduzir inovações e aumentar sua produtividade de maneira consequente com o mundo de hoje.


O fato de que em todos os países participantes entre 7% e 27% dos adultos não sabem nem sequer usar o mouse do computador é um sinal de que as políticas de educação não são capazes de lidar com as mudanças tecnológicas a uma velocidade adequada?

No Piaac, vimos que a lacuna da leitura também é uma lacuna digital, quer dizer, os adultos com um baixo nível de competência em leitura têm dificuldades em usar os computadores. Isso equivale a milhões de adultos lutando para sobreviver em uma sociedade que mudou profundamente, que cada vez mais está interconectada e baseada na economia do conhecimento, e onde a tecnologia está cada vez mais presente.

Não só a educação básica está falhando, mas a educação ao longo da vida, já que hoje em dia não podemos deixar de nos educarmos no ritmo com que o mundo evolui. A educação não acaba na escola, é algo que os adultos brasileiros precisam entender e queremos enfatizar isso aplicando o Piaac no país, especialmente sendo o Brasil uma economia tão importante nestes momentos.


A educação não acaba na escola, é algo que os adultos brasileiros precisam entender"

O relatório diz que países que investem na educação continuada para adultos tiveram melhores resultados no Piaac. Mas alerta que, se a educação primária não é boa, os resultados da educação para adultos não serão animadores. Há, então, uma relação entre o tempo dedicado aos estudos formais e a metodologia educacional?

Nos países com resultados melhores, seu grande êxito recai no fato de que formam todas crianças e adultos por igual, sem discriminação por nível socioeconômico de seus pais, como ocorre em grande parte da América Latina. Uma educação mais personalizada e com um maior apoio, para os jovens que precisam disso, é muito importante.


Os adultos com baixo nível de competências se arriscam a ficar presos em uma situação em que raras vezes se beneficiam da educação de adultos, e suas competências seguem sendo fracas ou se deterioram com o tempo –o que torna ainda mais difícil para essas pessoas participarem de atividades de aprendizagem ou do mercado laboral. Isso apresenta um desafio político formidável para os países, com grandes proporções de adultos com baixas competências. Ajudar aos adultos pouco qualificados a quebrar esse ciclo é crucial.

O Piaac nos tem permitido identificar os adultos com maior risco de exclusão. 
É importante conscientizar estes adultos dos desafios econômicos e sociais que sua falta de formação lhes ocasiona, e ao mesmo tempo que traz os benefícios da melhora das competências aparentes. Melhorar o ensino da leitura e da matemática nas escolas e em programas para adultos com baixas competências e pouco familiarizados com as tecnologias de informação e comunicação pode aportar ganhos econômicos consideráveis para os indivíduos e para a sociedade em seu conjunto, e um maior bem estar social para todos.


A avaliação disponível no site da OCDE tem poucas perguntas. Quantas perguntas tem o teste real?
A avaliação real tem muitas perguntas de compreensão de leitura, matemática e resolução de problemas, assim como perguntas sobre o tipo de competências que se usam no trabalho, como comunicação, trabalho em equipe, colaboração etc. A avaliação vai se ajustando ao nível de dificuldade que o adulto experimenta para estabelecer o nível exigido. A avaliação consiste em um questionário de contexto que dura cerca de 45 minutos e uma prova de domínios cognitivos, que dura ao redor de uma hora.



O teste é aplicado só pelo computador, ou também em papel?
As pessoas que têm dificuldade com o uso do computador realizam o teste em uma versão mais tradicional em papel, e obtêm resultados totalmente comparáveis. Os países com uma porcentagem baixa de pessoas que usam computador também podem optar somente pelo teste na versão em papel, como faz atualmente a Indonésia.


Esta versão online é um exemplo de perguntas. Ela se chamará "Educação e formação online" e estará disponível em setembro deste ano para os países participantes, para que os indivíduos possam medir seu nível de competências. Os adultos que queiram conhecer seu nível de competências receberão um informa com seu nível comparado com os resultados do Piaac de seu país e internacionalmente, e poderão se comparar com indivíduos com um background similar ao seu em educação, ocupação etc. E ver se necessitam atualizar e melhoras suas competências. As instituições que desejarem poderão utilizar essa ferramenta para avaliar as competências de grupos objetivos, por exemplo, adultos com baixo nível de competências que necessitem formação, ou alunos universitários, para diagnosticar o nível adquirido depois de uma formação.


Qual é a política de educação de adultos mais difícil de se implementar? Por quê?
Todos os pontos chave [para políticas pública sugeridos pela OCDE] são os dados que o Piaac nos mostra de cada país. Primeiro é que é muito necessário ter esses dados por país, é muito importante avaliar, porque o que não se vê não se pode mudar. Uma vez que vemos as características específicas de cada país, podemos realizar as políticas necessárias de mudança, sejam estas a nível de educação, emprego ou economia ou de migração. Outro fator importante do Piaac é a sua comparação internacional. Ao nos compararmos com outros países, podemos ver como eles têm sido bem sucedidos em implementar certas políticas e como fizeram isso.



E qual é a política mais difícil de implementar sobre a relação entre competências e a economia?
Todos os pontos chave têm seus desafios, mas provavelmente garantir que todas as crianças tenham um bom início no ciclo básico de ensino [é o mais difícil]. Isso requer muitas mudanças, e a principal seria ter professores de grande qualidade, sobretudo para as crianças com mais desvantagens. 

O Piaac nos dá o nível de competências por ocupação do adulto, e quando avaliamos as competências dos adultos, nos damos conta de que o nível de competências dos países com piores resultados educativos é bastante baixo, comparando com países com grande êxito e igualdade, como Finlândia, onde os melhores alunos são selecionados para serem professores. Ao mesmo tempo, os países com políticas de sucesso formam os professores ao longo de sua vida profissional. 

Os melhores sistemas acreditam que todas as crianças conseguem aprender. Um bom professor acredita que todas as crianças valem a pena.

Nenhum comentário: