1.3.14

CANDIDATURA PRÓPRIA PROVOCA RACHA NO PT/PE

DO JC ON LINE

Ilustração
O Partido dos Trabalhadores em Pernambuco deu início a uma nova queda de braço. Oito tendências internas da legenda realizaram ontem um ato para defender que a sigla tenha um candidato próprio ao governo de Pernambuco. Em contrapartida, e no mesmo dia, grupos ligados ao deputado federal João Paulo e ao senador Humberto Costa protocolaram um documento solicitando que seja iniciado o debate sobre o apoio ao senador e pré-candidato do PTB ao governo, Armando Monteiro Neto.

Com o argumento de que somente uma candidatura própria poderá reintegrar a base partidária, as tendências Democracia Socialista; Alternativa Socialista Democrática; Esquerda Marxista, O Trabalho; Coletivo Esporte e Lazer; Coletivo Quilombo; Novos Rumos e PT de Lutas e Massas apresentaram nomes de cinco lideranças de base que podem representar o partido na campanha eleitoral de outubro.

São eles: Oscar Barreto, Prazeres Barros, Severino Faustão, Osmar Ricardo, José de Oliveira e Edmilson Meneses. Todos estavam presentes ao evento, ontem, na sede estadual do PT, em Santo Amaro.

“Nós da classe trabalhadora, nós sindicalistas e líderes dos movimento popular não podemos nos alinha à candidatura de uma pessoa que é contra a redução da jornada de trabalho e que foi o pai do PL (projeto de lei) 4330”, destacou Severino Faustão, em referência ao projeto de lei de 2004, que prevê a contratação de serviços terceirizados para qualquer atividade de determinada empresa, sem estabelecer limites ao tipo de serviço que pode ser alvo de terceirização.

Vice-presidente estadual da legenda, Bruno Ribeiro coletou 25 assinaturas para o pedido de discussão do apoio ao senador Armando Monteiro, entregue também ontem, na sede do partido. O grupo acompanha o posicionamento da Executiva nacional, que prefere o desembarque do PT na candidatura petebista. No próximo dia 23, os 300 delegados da legenda eleitos no último Processo de Eleição Direta (PED) estarão reunidos para deliberar que rumo toma o PT no Estado.

Teresa Leitão, presidente estadual da legenda negou que o debate interno preocupe a cúpula da sigla. “A essência do PT é o debate. Vamos decidir essa questão da maneira mais democrática possível, sem crises”, assegurou a dirigente petista.

Nenhum comentário: