26.11.13

QUE PETROLINA FERNANDO FILHO E GENNEDY PATRIOTA ESTÃO HERDANDO? QUE ESPERANÇA PODE TER O CIDADÃO PETROLINENSE?

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO BLOG FOLHA


POR VERA MEDEIROS



Fernando Filho e Gennedy Patriota diplomação Petrolina
No centro, Fernando Filho(PSB) e Gennedy Patriota(PTB). Foto: página Facebook de Gennedy Patriota
Depois de, na noite dessa quarta-feira (20), serem diplomados como prefeito e vice-prefeito de Petrolina(PE), o ainda deputado federal Fernando Filho (PSB) e o advogado Gennedy Patriota (PTB) terão, assim que tomarem posse dos cargos municipais  (provavelmente, na próxima semana), um enorme desafio a enfrentar: colocar em equilíbrio a realidade de um município que está entre os quatro maiores PIBs (Produto Interno Bruto) do estado, mas encontra-se entre os piores indicadores sociais e de investimento  de Pernambuco,  segundo o IFGV – Índice Firjan de Gestão Fiscal.
Governada pelo então prefeito Julio Lóssio(PMDB) durante os quase cinco últimos anos –gestor  que acaba de receber resposta negativa do Tribunal Superior Eleitoral(TSE) quanto ao pedido para voltar ao cargo, depois de ser cassado pelo TRE por crime eleitoral – Petrolina sempre foi considerada a ‘Califórnia’ do sertão  nordestino. Ostentando o  3º PIB agropecuário do país, o cidadão petrolinense, no entanto, viu, nos últimos anos, Petrolina entrar em colapso, a ponto de encontrar-se, neste momento, entre as 15 piores cidades pernambucanas em dívida pública – no índice de zero a 1, Petrolina aparece com apenas 0,368 (classificada como gestão crítica da dívida pública do município, segundo o  Sistema Firjan. 
E a matemática é simples: como a quarta maior economia de Pernambuco está entre as 15 piores  em desequilíbrio das  contas públicas?
Esse é só um dos graves desafios dos novos prefeito e vice que estarão assumindo a gestão do município.
Enumerar os dramas vividos por Petrolina neste momento não é difícil, sobretudo porque a população é testemunha-padrão do que os números frios revelam. E, naturalmente, os novos gestores estarão expostos à ansiedade que essa população vem acumulando ao longo desses anos.
A Saúde pública em Petrolina, por exemplo, aparece entre as piores do estado de Pernambuco, de acordo com o IFGV – Petrolina ocupa o lugar 140 entre os 177 municípios pernambucanos (ver tabela abaixo) . Como tem sido gerido o dinheiro público da Saúde na cidade?  O município já recebeu  mais de R$ 43 milhões (de acordo com a CGU)  este ano,  só em convênios federais,  mas há um colapso na Saúde petrolinense, mesmo com a intervenção do estado. Tais números refletem no caos diário dos cidadãos – embora o discurso da gestão municipal nunca tenha assumido essa realidade.
saúde pública Petrolina
Além de administrar a ansiedade que a população de Petrolina vive agora, ante tanto descaso, Fernando Filho e Gennedy Patriota terão muito a fazer.
Primeiro, precisam extirpar o câncer da má gestão que vem sendo realizada na cidade.
O Índice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF) apontou, em março deste ano,   que Petrolina aparece entre os 65% dos municípios do Nordeste que não têm gerido bem as receitas , que não têm investido na qualidade de vida dos cidadãos .
Os dados apontam que 2006 e 2008 foram os anos de pico de investimento na cidade. Depois disso, os índices ficaram entre crítico e insuficiente.
investimento em Petrolina
Vê-se, portanto, que gerir bem as riquezas do município e apagar os rastros de descaso e de incapacidade deixados pelo governo Lóssio são essenciais agora.
 E que esperanças podem ter os cidadãos petrolinenses neste momento de transformação política? Que haja, também, transformação socioeconômica.
Funcionários públicos (sobretudo da educação e da saúde) desmotivados e desvalorizados, Cultura sepultada, compulsivas  vendas de bens públicos da cidade (quase que o estádio Paulo Coelho e o Matadouro já se foram também) sem a clareza do uso do dinheiro da transação, desvios de finalidades e suspeitas de mau uso de verbas públicas, mobilidade urbana inexistente, contexto urbano em pane, com trânsito caótico e transporte público sob comando de contratos discutíveis, ruas sujas, esburacadas como jamais se tinha visto, Educação de números camuflados, setores da prefeitura sob indicação de indisponibilidade de bens pelo Ministério Público Federal, por suspeitas de corrupção em licitações ligados à festa junina realizada pelo prefeito…
A lista de mazelas é muito longa. Mas a coragem de trabalhar tem que ser maior que tudo isso.
No sentido financeiro, o novo governo precisa resguardar-se e convocar uma auditoria junto ao Tribunal de Contas do Estado, a fim de implantar transparência na gestão pública de Petrolina, colocando à luz o que tem estado sob a obscuridade de quem parece ter muito a esconder.
Não há como recuperar a confiança da população, depois do trauma vivido pela falta de transparência, se não se instaurar clareza agora.
É intenso o desafio. Petrolina precisa renascer das cinzas. Precisa voltar a pulsar e orgulhar o cidadão que aqui vive.
E, como é um povo de grande esperança e de grande força também, ajudará a cidade a sair dos escombros.
*Vera Medeiros é editora do Blog Jornal Folha do São Francisco e Professora.

Nenhum comentário: