23.8.12

BRASIL REDUZ DESIGUALDADE

DO PORTAL CARTA MAIOR


Segundo Tereza Campello, dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE mostram que país avança na inclusão dos mais pobres, conciliando crescimento com distribuição de renda e desenvolvimento humano
Brasília, 27 – Para a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, os resultados gerais da amostra do Censo 2010, divulgada nesta sexta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), retratam os avanços sociais do Brasil na última década e mostram que o país está no caminho certo. Além do aumento de renda, houve avanços nos indicadores sociais, como queda da mortalidade infantil e aumento da frequência escolar, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, as mais pobres do país.

A ministra destaca que a renda domiciliar melhorou especialmente no Nordeste, com crescimento de 25,5% entre 2000 e 2010. A Região Norte ficou em terceiro lugar, com aumento de 21,6% - atrás somente do Centro-Oeste, com aumento de 23,4%. Segundo Tereza Campello, a valorização do salário mínimo, o aumento do emprego e os programas de transferências de renda como Bolsa Família e Benefício de Prestação Continuada (BPC) foram fatores que contribuíram para o crescimento do rendimento médio mensal dos brasileiros no período.

A taxa de mortalidade infantil teve redução recorde na última década. O índice é 47,5% menor do que o registrado em 2000. “É um avanço espetacular. Em uma década, a mortalidade infantil caiu praticamente pela metade”, diz a ministra. O Nordeste teve a maior redução, de 58,6%. O IBGE reconhece a ampliação de políticas de acompanhamento da saúde e a melhor distribuição de renda como fatores preponderantes para a queda da mortalidade infantil.

As mulheres grávidas beneficiárias do Bolsa Família têm 1,5 de consultas pré-natal a mais do que as grávidas não beneficiárias com igual perfil socioeconômico. A quantidade de crianças nascidas entre 37 e 41 semanas é 14,1% maior nas famílias beneficiárias, em comparação com as famílias não beneficiárias, apontam estudos do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

O percentual da população de 7 a 14 anos que não frequenta escolas caiu de 7,1% para 3,2% no Nordeste e no Norte de 11,2% para 5,6% de 2000 para 2010. Segundo os dados do Censo, a frequência escolar aumentou significativamente nas duas regiões. Hoje, o Bolsa Família acompanha a frequência escolar de 13,3 milhões de alunos entre 6 e 15 anos.

Fecundidade – A ministra considera ainda que os dados do Censo contribuem para rebater “mitos” em torno do Bolsa Família. A taxa de fecundidade caiu especialmente nas regiões Nordeste (23,4%) e Norte (queda de 21,8%). “Os dados mostram que o Bolsa Família não incentiva a natalidade. Ao contrário. A queda é maior nas regiões que mais recebem os benefícios do programa”, assinala Tereza Campello.

De acordo com ela, expressiva parcela dos bons resultados do Censo deve ser creditada aos avanços das políticas sociais implementadas no governo Lula e reforçadas pela presidenta Dilma Rousseff. Um exemplo é o Bolsa Família. O programa não apenas melhora a renda das famílias, mas também tem reflexos na frequência escolar dos filhos e na saúde dos beneficiários. Além disso, os recursos do programa impulsionam as economias locais, gerando emprego e renda.

Consumo de bens – Segundo a ministra, o aumento do salário mínimo, os programas de transferência de renda e os incentivos fiscais para equipamentos da linha branca beneficiaram o consumo de bens duráveis das famílias mais pobres. No Nordeste, por exemplo, 86,5% dos domicílios têm geladeira e no Norte, 83,8%.

Modelo de desenvolvimento – Os resultados do Censo reforçam a opção do governo brasileiro por um modelo de desenvolvimento que prioriza a inclusão dos mais pobres, aponta Campello. Ela afirma que o Brasil é hoje referência para o mundo em crescimento com inserção social. “O Brasil cresce porque inclui e inclui porque cresce.”

Rafael Ely
Ascom/MDS
3433-1021

Nenhum comentário: