25.5.12

PÁGINAS CENSURADAS SÃO AS MAIS PROCURADAS NO ACERVO DO ESTADÃO

DO PORTAL DO ESTADÃO


SÃO PAULO - As páginas do jornal O Estado de S. Paulo que não foram publicadas devido à censura durante a ditadura militar estiveram entre as mais procuradas do Estadão Acervo nas suas primeiras 24 horas de funcionamento.
Na quarta-feira, 23, o Estado colocou à disposição na internet todas as edições do diário desde 1875, quando foi fundado.
No site do Estadão Acervo, um link conduz aos textos censurados e permite ao leitor comparar a página efetivamente publicada com a que foi impedida de circular.
As notícias sobre personalidades também estiveram entre as mais procuradas pelos internautas no primeiro dia de funcionamento do Estadão Acervo. A ferramenta possibilita ao internauta ler as principais reportagens sobre pessoas que marcaram a história, nacional e internacional, em diversas áreas.
Nas suas primeiras 24 horas, o Estadão Acervo e os vários artigos sobre o projeto tiveram ao todo 93 mil pages views.
Acervo no Facebook
página do Estadão no Facebook já está sendo alimentada com conteúdo do Estadão Acervo.
Quem entra no perfil do jornal já consegue ver, por exemplo, a primeira página da edição de 15 de maio de 1988, quando "A Provincia de São Paulo", como se chamava a publicação na época, noticiou: "já não ha mais escravos no Brasil [...] desde hontem" (sic).
Entre as edições já colocadas no Facebook, uma das mais comentadas foi a de 31 de janeiro de 1933, com a manchete: "Governo fascista na Alemanha", noticiando a chegada de Adolf Hitler ao poder.
Também gerou discussão na rede o título: "Conquistada a Lua, de volta", de 22 de julho de 1969, sobre a chegada do homem ao satélite natural. Nesse dia, a primeira página do jornal trouxe quatro fotos grandes e a frase "É um passo pequeno para o homem, um salto gigantesco para a Humanidade", de Neil Armstrong, em nove idiomas.
A postagem de conteúdo do acervo no Facebook será feita continuamente e permitirá que o internauta, de forma simples, consulte edições anteriores.
 

Nenhum comentário: