21.5.12

NILTON SANTOS, A NOSSA ENCICLOPÉDIA, O NOSSO BI-CAMPEÃO MUNDIAL, DOENTE, PRECISA DE AJUDA


DO BLOG A PATRULHA DA LAMA

                                     Camisa, faixa, troféu e bola das Copas de 58 e 62, guardadas por Nilton Santos, são colocadas à venda para ajudá-lo

Foto: Rodrigo Stafford / Extra
Por Luiz Victor Lopes e Rodrigo Stafford

Uma mala preta nos fundos de um escritório de propaganda em Copacabana guarda um tesouro do futebol brasileiro e revela um drama. Nela, há uma camisa da seleção, usada na final da Copa do Mundo de 1958, e relíquias do Mundial de 1962. O material era de Nilton Santos. O ex-craque o deu de presente ao amigo Damasio Deziderio, que hoje busca comprador para dar um destino digno à coleção e um suporte financeiro ao ídolo, eternizado como a Enciclopédia do Futebol.

O presente foi uma retribuição a uma das grandes emoções da vida do craque. Por ideia de Damasio, Nilton foi homenageado pela escola de samba Vila Isabel em 2002.

— Ele chegou aqui com uma mala e dizendo que tinha um presente para mim. Pensei que fosse um aipim ou até uma cachacinha que ele gosta muito. Quando eu vi, não acreditei. Tinha o acervo completo das Copas do Mundo de 1958 e 1962, incluindo a camisa e a chuteira da final contra a Suécia. É claro que não aceitei, apesar de sua insistência — diz um emocionado Damasio.

Camisa, faixa, troféu e bola das Copas de 58 e 62, guardadas por Nilton Santos, são colocadas à venda para ajudá-lo 
Foto: Rodrigo Stafford / Extra

CBF garante ter interesse

O amigo, então, fez um acordo com o seu ídolo de infância:

— Não podia aceitar um presente desses, e ele não tinha noção do que estava dando. Só aceitei quando disse que arrumaria um comprador e que todo dinheiro ficaria com ele.

Algumas multinacionais foram contactadas, mas alegaram falta de verba.Damásio procurou a CBF que alegou não ter dinheiro para a aquisição, embora tenha registrado em seu balanço de 2011 um lucro de R$ 73 milhões. Procurado, o assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva deu outra versão:

— Nunca ouvimos sobre esse acervo. Estamos tomando conhecimento agora. Nunca foi oferecido nada para a CBF, mas temos muito interesse neste material. Temos um departamento de memória.

Damásio faz questão de deixar claro sua intenção em relação às relíquias.

— O que nós queremos é um reconhecimento. A própria Célia (esposa de Nilton) já disse que não quer leilão para não desmerecer o que ele fez em campo. O valor é incalculável. Queremos dar uma velhice digna ao Nilton. É o mínimo que podemos fazer. Se não conseguir vender com ele vivo, boto fogo em tudo na Cinelândia — exagera Damásio, garantindo já ter recusado proposta de R$ 250 mil pela camisa da final de 1958: — Não vou desfigurar. Só vendo o pacote inteiro.

Saúde frágil

A situação de Nilton Santos é preocupante. O maior lateral esquerdo da história do futebol sofre com mal de Parkinson e mal de Alzheimer e vive em uma clínica custeada pelo Botafogo. A esposa Célia tem câncer no cérebro e já não consegue dar todo suporte de que o ídolo, aos 87 anos, necessita.

Além do Botafogo, Célia e Nilton têm mais duas fontes de renda. Uma aposentadoria de cerca de R$ 1.300 mensais, valor semelhante ao que Célia gasta só com medicamentos, e receitas da empresa Estilo Carioca, que confecciona as camisas retrô de Nilton Santos, que já venderam mais de 20 mil unidades.

— O projeto é manter viva a história do Nílton Santos. Ele representa a história do Botafogo e da seleção brasileira. Tudo começou em 2008 e a porcentagem nas vendas complementa o bem-estar do Nílton, como comida, remédios e enfermeira. Vamos manter esse compromisso para sempre — garantiu Flávio Lopes, dono da Estilo Carioca.

Nenhum comentário: