9.4.12

DEMÓSTENES NÃO É COLLOR. MAS PODE SER PIOR


EDITORIAL DO PORTAL CARTA MAIOR

Enganam-se os que equiparam o caso Demóstenes Torres ao revés sofrido pelo conservadorismo brasileiro no impeachment de Collor há quase duas décadas. O baque atual pode ser maior. Não pela importância intrínseca de Demóstenes, mas pelo entorno histórico que cerca o streap-tease ético do aspirante a novo savonarola das elites nativas. 

Collor renunciou ao final de 1992. No ano seguinte Bill Clinton sucederia a Reagan na maratona desregulatória nos EUA. A retroescavadeira neoliberal sacudiria o legado de Roosevelt por quase dez anos (até 2001), sobretudo no sistema financeiro. A direita brasileira, portanto, estava amparada ideologicamente no ambiente internacional. 

Rapidamente ela se refez da queda do caçador de marajás que ajudara a eleger (e como!). Seu dispositivo midiático agiu em duas frentes. Reduziu o ex-herói  à insignificância política de um personagem que não esteve à altura do seu enredo. Mas preservou o enredo. Um similar de Clinton foi providenciado para comandar as 'reformas' aqui: FHC. O quadro atual reduziu drasticamente essa margem de manobra. 

Nenhum comentário: