25.10.11

O SONHO E OS ATOS DE FERNANDO BEZERRA COELHO

Por Bráulio Wanderley

Após o rebuliço criado pela transferência de Odacy Amorim do PSB para o PT, um personagem merece maior destaque: o ministro anti-PT (do governo do PT), Fernando Bezerra Coelho (PSB).

Indignado pelo então prefeito Odacy Amorim ter sido castrado nas prévias do PSB em 2008 no seu pleito à reeleição e que seria novamente para este de 2012, o ministro também se transferiu, mas para o Recife, onde sob o silêncio coadunante do governador e presidente nacional do PSB Eduardo Campos, se dispõe a romper a aliança com os petistas colocando seu nome na disputa da prefeitura da cidade maurícia.

FBC é um político nato, orador como poucos, fama de bom administrador, porém vaidoso, vejamos pois, algumas de suas passagens certas ou equivocadas, a depender do ponto de vista do leitor:

1. 1986 - Rompe com o então governador Roberto Magalhães, a quem serviu como chefe da casa civil, sai do PDS e migra pro PMDB de Miguel Arraes onde se elege deputado federal. Em 1992, se elege prefeito de Petrolina, sucedendo o primo Guilherme Coelho (PFL).

2. 1993 - Na briga entre o deputado Miguel Arraes x o ex-prefeito Jarbas Vasconcelos (candidato derrotado por Joaquim Francisco-PFL em 1990), sai do PMDB e vai para o PSB acalentando o sonho de ser governador. Só que em 1994 era a vez de Arraes se eleger pela 3ª vez, sonho adiado.

3. 1998 - Como candidato a vice-governador de Miguel Arraes, assiste a derrota do governador para o desafeto Jarbas Vasconcelos.

4. 2000 - Vence a prefeitura de Petrolina pela 2ª vez, com o apoio do PT, onde insistentemente ele afirma que teria o apoio da legenda para disputar o governo do estado. O suposto acordo teria sido firmado com Lula e Humberto Costa, que viriam a formar palanques para suas candidaturas a presidente e governador, respectivamente.

5. 2002 - Rompe com o PT (e vice-versa), sai do PSB após o governador Miguel Arraes perder a reeleição para Jarbas Vasconcelos e migra pro PPS, base de apoio de Jarbas. Em 2004 é eleito prefeito de Petrolina pela 3ª vez.

6. Na eleição desse ano, apóia Ciro Gomes, seu então correligionário e sofre derrotas terríveis para o senado (apoiou Sérgio Guerra em Petrolina, que ficou na 4ª colocação) e para a câmara federal assistiu seu irmão Clementino Coelho perder a vaga para Roberto Freire.

7. 2006 - Rompe com Jarbas e, sem o apoio e a confiança dos petistas, regressa ao PSB e apóia a candidatura do então ministro Eduardo Campos.

8. 2007 - Renuncia a prefeitura de Petrolina e vira secretário de desenvolvimento econômico do governo Eduardo Campos.

9. 2010 - Sonhando com o senado, Fernando é rifado por Humberto Costa (PT) e Armando Monteiro Neto (PTB) indicados pelo governador Eduardo Campos. FBC, um trator na política eleitoral, fica no governo e como compensação pela lealdade ao governador torná-se ministro da integração nacional da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Agora o ministro tenta, mais uma vez, demarcar seu campo anti-petista ao querer de todo jeito insinuar o rompimento da Frente Popular, haja vista que tanto os senadores Humberto como Armando são fortes nomes para o Campo das Princesas em 2014 (sem falar no dep João Paulo), além da possível postulação do secretário Geraldo Júlio sob indicação de Eduardo. Ou alguém acha que Eduardo quer sombra de alguém?

O ministro FBC sabe que precisa demarcar seu campo sem o PT de Lula/Dilma, a depender dos planos de Eduardo para 2014.

Fernando Bezerra Coelho pode não ser candidato no Recife, mas quer fazer zoada pra seus planos maiores e dessa vez ele não abre mão do nome do dep. Fernando B. Coelho Filho à prefeitura de Petrolina, já que o dep. estadual Odacy está no PT e o dep. federal Gonzaga Patriota (PSB)  está caladinho.

A conferir.

Um comentário:

Anônimo disse...

Este fernando bezerra é um mala precisa perguntar a ele onde esta os 8 milhões que veio para Ptrolina Frefeitura e Codevasf executar o projeto de esgoto sanitario de Petrolina que até hoje os dejetos correm para o Rio São Francisco