16.3.11

DESORDEM FINANCEIRA E CATÁSTROFE JAPONESA

DO PORTAL CARTA MAIOR.

O economista Paul Krugman, em sua coluna no New York Times, já especula se a reconstrução japonesa poderá significar para a crise atual do capitalismo, guardadas as proporções, o mesmo que a 2º Guerra mundial representou para o colapso dos anos 30.

A reconstrução de uma sociedade rica, varrida,sucessivamente, por um dos maiores terremotos da história, seguido de um tsunami e agora às voltas com o risco de um armagedon nuclear, avulta como um enorme desafio de mobilização de recursos. Recursos ociosos não faltam na convalescença do colapso neoliberal.

A crise de 2007 e 2008 abalou os mercados financeiros, mas a engrenagem da riqueza fictícia foi preservada por medidas anti-cíclicas amigáveis. Hoje, ela se materializa em surtos desenfreados de especulação e fome urbi et orbi. Falta a esse dinheiro errático uma rota de longo curso num mundo prostrado pela anemia norte-americana e européia que a China sozinha não consegue compensar.

A tragédia japonesa pode significar para esses capitais a alavanca de 'destruição criativa' que esmigalha vidas e patrimônios, dissemina dor e fúria, mas reordena a reprodução desarticulada pelo excesso anterior? Resta saber se o passo seguinte da tragédia inconclusa seguirá essa dinâmica reiterativa, ou se a memória viva de 2007/2008, catalizada pela dor descomunal do povo japonês abrirá espaço político para o surgimento de um novo Estado do Bem-Estar social na agenda do século XXI.

A ver

Nenhum comentário: