1.12.10

RIO: MUITA CALMA NESSA HORA

Por Bráulio Wanderley

Preferi esperar o desenrolar da história para analisá-la sem relação passional.

Talvez influenciado pelo sentimento midiático do filme tropa de elite, o povo brasileiro e especialmente o carioca, assistiu à maior varredura de traficantes da história do maior cartão postal do país.

Tropas estaduais, federais, forças armadas. Uma operação contra os "territórios do tráfico". Parabéns aos homens de bem e de boa vontade que puseram suas vidas em risco.

Só que...

O tráfico do Rio não se resume aos pobres-pretos-bandidos. A ilicitude do comércio de entorpecentes é comandada em outros "territórios" por milícias da própria polícia fluminense compostas por verdadeiros bandidos fardados.

De certo, as UPP's tão divulgadas durante as campanhas eleitorais estadual e federal resolvem esse problema também? Ou seria mais um pacto de setores da corrupção a fim de tomar os "territórios" para que si?

Quem ocupou os "territórios" das milícias? Quem prendeu os milicianos? Quem os julgou? O problema teve fim?

Combater o tráfico de armas e drogas é imprescindível, mas como a situação chegou a esse patamar? Essas são algumas questões ainda não respondidas, nem pelo poder público nem pela mídia que rendeu quase que exclusivamente sua pauta em torno da "guerra ao terror" como se fosse um fato novo.

De fato, há de se comemorar parcialmente a vitória da reconquista do poder público sobre o domínio do tráfico. Mas a cena chama que chama atenção é a dos traficantes fugindo. Para onde? Qual favela, bairro, cidade e estado? Esperaremos conquistas de outros "territórios" e que assim, a situação tenha apenas migrado?

Caso o poder público ÉTICO não tome de fato, essas comunidades para a sua responsabilidade, os "gatos" de luz, de tv's a cabo, de água e o comércio de gás, além das drogas e das armas terão apenas mudado de posse criminal. Da malandragem para o aparato miliciano.

É de conhecimento de todos que o medo e o coronelismo de asfalto (ou de lama, já que boa parte das favelas não é sequer urbanizada) elege representantes do povo para servir ao poder paralelo: vereadores, deputados estaduais e federais, além do financiamento de candidaturas executivas.

O Rio de Janeiro viveu durante décadas com monstruosidades terríveis: a reforma urbana iniciada na década de 1910, com o povo saindo da planície e tendo que habitar em acidentes geográficos; o jogo do bicho "tão inocente" financiando o maior evento do estado, o Carnaval com suas escolas de samba, servindo como lavagem de dinheiro para a contravenção; a inexistência de uma política de defesa nacional nas fronteiras que permite a entrada de armas e drogas de toda parte de o mundo aliada à corrupção policial em nome de um pacto secreto de "territórios".

E só agora, "por coincidência" após as eleições, descobriram a pólvora e o pó naquelas comunidades.

Destarte, quando não se combate o consumo a lógica econômica sugere uma inflação dos entorpecentes, já que "taxas adicionais" como: opressão de parte da corporação policial honesta, dificuldade em obter e transportar a "mercadoria", além de possíveis prejuízos serão cobradas.

As UPP's existirão na Zona Sul da Cidade Maravilhosa nas portas dos condomínios de luxo? A pergunta se faz urgente num país regido pelo preconceito onde pobre é drogado e rico é usuário ou dependente químico. Pobre é criminoso e rico comete ato falho. Pobre vai pra cadeia, por sinal de onde veio a ordem para o caos instalado e rico vai, às vezes, pro manicômio, isto quando não ganha condicional ou paga pena pecuniária.

Falando em cadeia. Como entram drogas, celulares e outros artefatos de guerras no nosso sistema penitenciário? Qual funcionário foi responsabilizado? Ninguém sabe quem é o corrupto e o corruptor?

Quando o congresso nacional vai aprovar a PEC 300 que determina um piso nacional para os policiais? Vamos esperar que mais carros e ônibus sejam queimados, que outros Tim Lopes sejam assassinados em "microondas", que trabalhadores, jovens e idosos sejam mortos nas suas próprias casas por balas perdidas e fogo amigo e ter tudo isso como natural?

Nossa elite gosta de mirar sobre os Estados Unidos e a Europa, pois bem, na Chicago de Alcapone, sua primeira pena foi sobre sonegação fiscal e a máfia foi posteriormente desbaratada. Aqui, milicianos declaram renda e não passam pela malha fina como todos nós meros mortais. Na Nova Iorque de Frank Lucas e das 5 famílias italianas, cerca de 75% da corporação policial estava envolvida com o crime organizado, com os "arregos" de lá e tiveram seus quadros expulsos e punidos. Aqui estão impunes. Na Sicília, a Operação Mãos Limpas levou à cadeia juízes, autoridades legislativas e ministros do executivo a verem o sol nascer quadrado. No Brasil, os agentes da corrupção se encontram nas esferas de poder, impunes ou com prerrogativa de foro.

É mais conveniente matar pobre, fingir que tudo se resolveu e mascarar a raiz da questão que é o sistema, seja ele penal, administrativo, processual, cultural e político que prender um dos seus e acabar se dando mal por tabela, ou como dizem os peixes-pequenos da bandidagem, virar X9.

As "autoridades" que criam a marginalidade criminal, a fim de mantê-la como sócia minoritária posam de "vossas excelências", pedem votos e dão entrevistas ufanistas sobre um mundo virtual pacificado e livre de toda mazela anterior.

Depois da Copa do Mundo e das Olimpíadas poderemos enxergar se tudo não passou de uma trégua ou se o problema foi efetivamente solucionado. O silêncio dos cemitérios tem um preço alto, dispensa licitações para enriquecer empreiteiras e indenizar vítimas. Pelo visto aprenderam com o império estadunidense que o melhor da guerra é a reconstrução.

Combater toda espécie de crime e respeitar os direitos humanos de quem vive com dignidade e ética sugere não tolerar a corrupção e é justamente nesse vácuo entre o caos, a luta de classes, a decomposição do Estado e a paz para a elite e a classe média alta - mesmo reféns dos lucros das empresas de interfones, câmeras, vigilância privada ou o cara do apito e portões eletrônicos - que emergem os traficantes, as milícias, a guerra restrita às comunidades pobres e toda forma de estado paralelo.

A maior fatura disso tudo é que a pacificação de verdade demanda décadas e os oportunistas da política desonesta não estão nem aí! É mais cômodo se limitar ao aparato violento do Estado, comprar armas e munições russas, israelitas e estadunidenses a incentivar progressivamente a cultura da paz, investir em educação de qualidade, profissionalização, reformas urbana e agrária e distribuição de renda condizente à dignidade humana.

3 comentários:

celinha disse...

Maior orgulho de vc ,meu filho, concordo com tudo o que vc disse, só acrescento que apesar de terem encontrado só agora, "por coincidência" após as eleições, a pólvora e o pó naquelas comunidades nos esquecemos de onde veio todo esse arsenal de drogas e armas ,das nossas fronteiras que devido a grande extensao não há fiscalização suficiente e ainda hoje se leva o que quer do Brasil, em termos de riquezas minerais e ainda é o lugar onde entra quem quer e como quer, e tudo que foi apreendido nessa guerra que vivenciou o Rio será certamente abastecido de novo em algum aeroporto clandestino ,isto tammbém é realidade...Bjs de luz no seu coração e muita paz
Célia Robalinho

Diego disse...

Isso mostra que nesse mundo não existe bem ou mal, como a mídia tenta influenciar o povo com essa idéia de um lado bom e o outro ruim!!
Ambos erram ou erraram, ambos acertam ou acertaram.
Só existe interesse político e econômico, ou seja, só existe interesse por poder e influência!!!
Por que quanto mais poder, mais corrupção, infelizmente...
E as exceções são raras, já que o poder acaba "obsediando" uns e caindo em maõs erradas de outros!
Tantas inteligências sem sabedoria...
Mas vai chegar o dia em que as máscaras caem e o sistema é vencido, por que nada dura eternamente...

Parabéns pela "denúncia" Braulo, só espero que muitos percebam isso antes que seja "tarde demais"!

Diego disse...

Isso mostra que nesse mundo não existe bem ou mal, como a mídia tenta influenciar o povo com essa idéia de um lado bom e o outro ruim!!
Ambos erram ou erraram, ambos acertam ou acertaram.
Só existe interesse político e econômico, ou seja, só existe interesse por poder e influência!!!
Por que quanto mais poder, mais corrupção, infelizmente...
E as exceções são raras, já que o poder acaba "obsediando" uns e caindo em maõs erradas de outros!
Tantas inteligências sem sabedoria...
Mas vai chegar o dia em que as máscaras caem e o sistema é vencido, por que nada dura eternamente...

Parabéns pela "denúncia" Braulo, só espero que muitos percebam isso antes que seja "tarde demais"!