13.5.10

FORMAÇÃO DE UMA FRENTE AMPLA JUDIA-ÁRABE PELA DEFESA DA DEMOCRACIA

Partido Comunista de Israel

imagem

O Comitê Central do Partido Comunista de Israel (PCI) clama contra o recrudescimento contra a democracia no espaço de Israel e contra os processos de fascistização; e chama para uma ampla frente em defesa da democracia.

Os recentes ataques contra jornalistas e a imprensa e a constante tentativa de cercear a liberdade de expressão; impedindo a publicação dos casos de prisão; cobrando um jornalismo de “espionagem” e proibindo a publicação de documentos sobre operações ilegais de assassinatos de Palestinos nos Territórios Ocupados; tratando o jornalista que publica os documentos (aprovados pela censura) com prisão, enquanto não toma nenhuma providência contra os oficiais que autorizaram os assassinatos; incitando contra o jornal diário “Haaretz”, que publicou o artigo – tudo isso é expressão da grave deterioração à luz dos esforços do governo em destruir a democracia.

Esse último assunto é outra parte dos ataques recentes contra a democracia: as mudanças políticas dos “policiais de assalto” pressionam contra o Membro do Knesset, Muhammad Barakeh, membro do Comitê Político do PCI e líder da Frente Democrática pela Paz e Igualdade; o incitamento contra a Fundação Novo Israel (FNI) e a Associação por Direitos Civis em Israel (ADCI); a maré de legislação racista e antidemocrática no Knesset; o banimento dos protestos populares contra o Muro da Separação em Bil’in e Nil’in; a perseguição da polícia contra manifestantes em Sheikh Jarrah; e os ataques com tiros no clube do PCI em Umm El-Fahem.

Nossas previsões se tornaram realidade: a política sistemática de banimento das liberdades dos cidadãos Árabes, além de não ter sido parada, está agora contra todos os cidadãos de Israel, Judeus e Árabes. A perseguição aos comunistas é acompanhada pela perseguição a democratas e liberais.

À luz da urgente necessidade de uma luta em defesa do homem e dos direitos civis, o PCI chama para um esforço crescente de formação de uma frente Judia-Árabe em defesa da democracia. Essa frente deve incluir todos aqueles que prezam a democracia, independente de diferenças ideológicas.

Formar uma frente de defesa da democracia, na arena nacional e nas arenas locais - é nossa responsabilidade e nossa missão entre os trabalhadores e os jovens, entre ambos os povos desse país.

Por um Oriente Médio Livre de armas nucleares

O acordo EUA-Rússia sobre a redução do arsenal de armas nucleares é um passo na direção certa. A resolução da Cúpula Árabe por um Oriente Médio livre de armadas nucleares é, também, um passo na direção certa.

O PCI reitera a importância da luta para a destruição de tais armas, para um futuro no qual Israel, assim como os países vizinhos, e o Oriente Médio num todo, estarão livres das armas nucleares e todas as armas de destruição em massa.

Desentendimentos não quebraram a “Aliança Estratégica”

De acordo com reportagens, a administração de Obama está demandando, do governo de Netanyahu, o congelamento de construções na vizinhança Árabe da Jerusalém Oriental e ao longo da Cisjordânia, para alcançar um acordo com a Autoridade Palestina em dois anos.

Consideramos que todas as medidas que limitam a expansão dos colonos e a expulsão dos Palestinos de seus lares e terras como passos importantes. No entanto, as declarações da administração Obama relativas a essas questões estão para serem testadas em suas implementações.

Os desacordos táticos entre Obama e Netanyahu não afetaram a aliança estratégica entre Israel e EUA. Pelo contrário, recentemente a administração Obama fez a transferência de três milhões de dólares para Israel, para a compra de 25 aviões F-35 e aviões de carga, como parte das preparações de um possível assalto ao Irã. Enquanto isso, os EUA continuam armazenando equipamento militar em Israel.

Pobreza entre os trabalhadores

Recentemente, o Banco de Israel se juntou às fileiras daqueles que têm alertado, há anos – o PCI inclusive – contra a política que leva, mais e mais, as famílias dos trabalhadores para a pobreza e a desigualdade. Os resultados do Banco de Israel mostram hoje, novamente, a política de privatização, redução de impostos para os ricos, desemprego, redução de direitos trabalhistas, assim como uma repressão contra a organização sindical aprofundam o fosso entre o capital e o trabalho, aumentando a riquezas dos ricos e o número de pessoas abaixo do nível da pobreza.

O PCI, contra essa política, está do lado daqueles trabalhadores que lutam para formarem sindicatos nos seus espaços de trabalho, melhorando seus salários e condições de trabalho.

http://www.maki.org.il/he/english-mainmenu-106

Nenhum comentário: