13.5.10

5 DICAS PARA USAR O TWITTER E EVITAR PROBLEMAS PROFISSIONAIS

Por Geraldo Cisneiros

Casos recentes de demissões provocadas por comentários no microblog servem de alerta aos usuários do serviço.

http://varejototal.zip.net/images/BV_no_twitter.jpg

A demissão do jornalista Felipe Milanez, da revista National Geographic, devido a críticas feitas por ele à revista Veja (ambas publicadas pela editora Abril) via Twitter, acendeu o sinal de alerta nos usuários do microblog. Como avisam advogados especializados em direito digital, as empresas podem demitir um colaborador caso considerem que a postura dele nas redes sociais é inadequada aos padrões da organização.

Diante desse cenário, quais as dicas sobre o que fazer – ou não – no Twitter? Qual a melhor maneira de utilizar a ferramenta e, assim, evitar problemas profissionais?

O ponto de partida, segundo André de Abreu, gestor da MWeb, unidade de mídias digitais e redes sociais da Máquina Public Relations – divisão da Máquina da Notícia – , é o usuário observar, a partir do momento em que ele abre uma conta no Twitter, que ele está misturando dois aspectos de sua vidas: o pessoal e o profissional. Logo, é recomendável que a pessoa evite divulgar informações sobre a organização (questões internas, por exemplo). E, se o fizer, que sejam informações de caráter público, diz Abreu.

Veja a seguir mais algumas regras de boas práticas no Twitter, segundo especialistas em redes sociais.

1. Que fique claro: o Twitter é um ambiente público
Antes de tuitar, você deve discernir o que falaria em público e o que comentaria apenas em ambientes privados. Além de a mensagem ficar registrada – mesmo que seja apagada, alguém pode copiar a tela com a mensagem e repassá-la -, a grande visibilidade do Twitter amplifica a repercussão do que é escrito. Logo, a pessoa tem de pensar bem antes de escrever qualquer mensagem no microblog. E nunca digitar no calor do momento, sob o risco de ser mal interpretado.

2. Procure saber o que a empresa considera ou não adequado que seja publicado
As empresas devem incentivar o bom uso das redes sociais, na avaliação de Abreu. Mas, para que o colaborador não cometa deslizes inadvertidamente, é necessário haver um treinamento a respeito das políticas de uso de redes sociais. Dessa forma, será possível saber aquilo cuja publicação é inadequada. Para Abreu, esse procedimento é muito melhor do que a empresa proibir o uso das redes sociais pelos funcionários.

3. Evite colocar seu cargo na empresa para a qual trabalha
Uma vez que a sua empregadora se julgar atingida por sua postura nas redes sociais, ela pode demiti-lo, alerta Vivian Pratti, advogada do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados. E, se você se identificar no microblog com o cargo que ocupa na empresa, abre-se a brecha para uma possível demissão por justa causa, pois a companhia pode alegar que houve vínculo direto com ela. Portanto, se o seu perfil não for criado especificamente com a intenção de ser corporativo, é melhor não se apresentar como profissional de uma empresa.

4. Evite falar mal das empresas concorrentes
Segundo Manoel Fernandes, diretor da Bites, consultoria de planejamento estratégico em redes sociais, não é de bom-tom criticar concorrentes da empresa para a qual você trabalha. Isso pode criar saias justas na organização, principalmente pelo fato de que, no Twitter, a diferença entre o pessoal e o profissional se dilui – uma palavra sua pode ser interpretada como uma visão da companhia.

5. Cuidado com comentários sobre temas polêmicos
O Twitter é um meio excelente para difundir informação e troca de opiniões sobre diversos assuntos. Mas é sempre bom tomar cuidados com comentários temas espinhosos, como religião, política e opções sexuais (sic), apenas para citar alguns exemplos

IDG Now

Nenhum comentário: